Como fazer o descarte de óleo lubrificante?

Publicado em: 09/09/2022

Como fazer o descarte de óleo lubrificante?

Sabe como fazer o descarte de óleo lubrificante? Será que sua empresa faz da forma correta?

Muitas empresas não sabem como fazer o descarte de óleo lubrificante, e por conta disso acabam colocando a saúde de pessoas, animais, plantas e o meio ambiente em risco. Quem trabalha com veículos, tem ideia de que o óleo lubrificante tem um papel fundamental para o seu funcionamento e deve ser trocado de tempos em tempos.

No entanto, este é um assunto que requer atenção. Isso porque é uma substância com grande poder de contaminação, e se descartado de forma incorreta pode prejudicar mares e rios, por exemplo. Além disso, em contato com o solo ele pode causar sérios prejuízos, principalmente em relação aos alimentos, que podem colocar nossa saúde em risco.

Neste artigo, você verá com detalhes sobre como fazer o descarte de óleo usado, além de outras informações que serão úteis para empresas que ainda não sabem a forma correta de fazer esse descarte, ou que precise de uma empresa especializada para fazer este tratamento para a sua empresa.

  • Para que serve o óleo lubrificante?
  • Como fazer o descarte de óleo lubrificante da forma correta?
  • Qual a destinação do óleo lubrificante recolhido?
  • Como fazer o descarte de óleo de forma incorreta prejudica o meio ambiente e a saúde
  • Como fazer o descarte de óleo lubrificante usado se torna o papel oficinas e indústrias

Para que serve o óleo lubrificante?

Os óleos lubrificantes são divididos em três tipos: mineral, sintético e semissintético. A função deles é fazer a lubrificação de peças importantes para que os veículos funcionem, como por exemplo anéis, válvulas e bielas. Sendo assim, ele evita que essas peças se desgastem.

Após certo tempo de uso, o óleo lubrificante perde a validade, e assim, sua eficiência também não é a mesma. Com isso, é necessário a troca. No entanto, já parou para pensa qual é o destino final deste óleo após a realização da troca?

Como fazer o descarte de óleo lubrificante da forma correta?

Algumas empresas fazem a troca correta do óleo, mas não sabem, ou não querem fazer o descarte deste de maneira correta. Entretanto, as multas para quem faz este descarte de forma incorreta são de altíssimos valores. Por conta disso, muitas empresas acabam quebrando ou fechando as portas.

O descarte de óleo incorreto é um assunto tão delicado, que o CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente) criou uma resolução à respeito do recolhimento e coleta de óleo usado ou contaminado.

A Resolução nº 362/2005 do CONAMA determina que empresas que vendem ou realizam troca de óleo realizem corretamente o processo de coleta. Ou seja, desde o armazenamento até a entrega para os coletores autorizados pela ANP (Agência Nacional de Petróleo).

Além disso, os estabelecimentos são responsáveis por colocarem cartazes informativos sobre como fazer o descarte de óleo lubrificante corretamente e o porquê deve tomar esses cuidados.

As empresas devem utilizar a logística reversa

As empresas devem utilizar a logística reversa

Qual a destinação do óleo lubrificante recolhido?

Oficinas e indústrias produtoras do resíduo devem destiná-lo para uma empresa como a Valoriza, que faz a coleta e o procedimento correto para o descarte do mesmo. Este processo é chamado de rerrefino, que nada mais é do que a extração do óleo base do lubrificante para que ele possa ser reutilizado.

O lubrificante é cerca de 80% a 85% do óleo básico, que assim que passado pelos procedimentos de rerrefino pode ser reutilizado. Dessa forma, a substância não será descartada em meio a natureza, além de reduzir a importação do petróleo para fabricar um novo produto.

Conforme o que prevê a resolução do CONAMA, produtores, importadores e distribuidores devem realizar a logística reversa (conjunto de processos usados para destinar uma mercadoria de forma adequada após a venda ou consumo). Dessa forma, deverão recolher no mínimo 36% de óleo fabricado por ano no Brasil, para encaminhá-lo ao rerrefino.

A Valoriza Ambiental vai até o seu estabelecimento e caso sua empresa não tenha tambores para coleta de óleo, levamos até o local. Fazemos todo o processo de acordo com as normas.

Como fazer o descarte de óleo de forma incorreta prejudica o meio ambiente e a saúde

Como vem do petróleo, o óleo já é tóxico naturalmente. E por isso, ele conta com diversos aditivos, que, em altas concentrações podem trazer efeitos contaminantes devastadores. Tudo isso dependerá de como o óleo lubrificante é manuseado.

Se manuseado incorretamente, além da carga original, traz novos compostos perigosos para a saúde e o meio ambiente, como dioxinas, ácidos orgânicos, cetonas e hidrocarbonetos policíclicos aromáticos.

Em sua maioria, são contaminantes bio-acumulativos (permanecem por mais tempo no organismo) e causam diversos problemas para a saúde. Veja abaixo alguns riscos que o descarte incorreto do óleo lubrificante traz:

Chumbo

Efeitos no corpo humano

  • Intoxicação aguda: Traz dores abdominais, vômito, diarreia, oligúria, sensação de gosto metálico, até um coma
  • Intoxicação crônica : Resulta na perda de apetite, de peso, deixa o ser humano apático, irritabilidade, anemia, causa danos no sistema nervoso, respiratório, digestivo e sanguíneos, além dos ossos
  • É um composto cancerígeno para os rins e o sistema linfático
  • Ele é um componente teratogênico, ou seja, causa má formação nos fetos, ossos, rins e sistema cardiovascular
  • O principal local de acúmulo é nos ossos

Cádmio

Efeitos no corpo humano

  • Intoxicação aguda: Trazendo diarreia, dor de cabeça, dores musculares, no peito e nas pernas, salivação, sensação de gosto metálico, tosse ocm saliva sangrenta, dores no abdômen, fraqueza, danos no fígado e falha nos rins
  • Intoxicação crônica: Perda de olfato, tosse, dispneia, perda de peso, irritabilidade, debilitação dos olhos, danos aos sistemas: nervoso, respiratório, digestivo, sanguíneo e aos ossos
  • Cancerígeno para pulmões e traqueia
  • Seu acúmulo se dá através dos rins, ossos e fígado

Arsênio

Efeitos no organismo

  • Também causa intoxicação aguda, causando: Gastroenterite violenta, queimação no esôfago, diarreia sanguinolenta, vômito, queda de pressão sanguínea, suor sangrento, dispneia, edema pulmonar, delírio, convulsões e pode até chegar ao coma
  • Intoxicação crônica pode causar: dermatite, escurecimento da pele, edemas, danos no sistema nervoso central, cardiovascular, nefrite crônica, cirrose hepática, perda de olfato, tosse, dispneia, perda de peso, irritabilidade, debilitação dos ossos, danos nos sistemas: nervoso, digestivo, sanguíneo e nos ossos
  • Pode causar câncer de pele, pulmões e no fígado

Cromo

Como ele afeta o organismo

  • O cromo hexavalente – Cr(VI) é extremamente tóxico, diferente do trivalente Cr(III), que potencializa a insulina. O hexavalente por sua vez, é gerado em processos a partir do trivalente
  • Intoxicação aguda, podendo proporcionar: Vertigem, sede intensa, dor no abdômen, vômito, oligúria e anúria
  • Intoxicação crônica, que pode resultar em: dermatite, edema de pele, ulceração nasal, conjuntivite, náuseas, vômito, perda de apetite, crescimento rápido do fígado
  • Por fim, pode causar câncer de pele, pulmões e fígado

Dioxinas

Ações no corpo humano

  • As dioxinas são substâncias organocloradas, que persistem em ficar na natureza e são extremamente tóxicas, carcinogênicas e teratogênicas
  • Elas são geradas conforme há a queima do óleo usado ou contaminado, o que é ilegal
  • A diversidade de dioxinas possuem diversos danos para a saúde humana

Hidrocarbonetos policíclicos (polinucleares) aromáticos

Age da seguinte forma no corpo humano

  • São caracterizados por terem dois ou mais anéis aromáticos condensados
  • Persiste por muito tempo no ambiente
  • São cancerígenos
  • Quando há a queima dos óleos lubrificantes, eles afetam os pulmões, o sistema reprodutor e o desenvolvimento do feto

Como fazer o descarte de óleo lubrificante usado se torna o papel oficinas e indústrias

Como a consciência ambiental tem se tornado um tema cada vez mais presente entre as empresas. Hoje a preocupação pelas empresas sustentáveis são muito maiores.

Oficinas que realizam troca de óleo devem mostrar aos seus clientes que são ecologicamente responsáveis. Dessa forma, o descarte deve ser realizado de acordo com as recomendações do CONAMA. Caso a oficina não saiba como realizar este tipo de descarte pode contar com empresas como a Valoriza Ambiental.

Por fim, além de serem ecologicamente corretas, as empresas também devem dispor de cartazes para que os seus clientes também se tornem, e principalmente para educar os seus funcionários de forma sustentável.